Confissões de um coração rebelde…

Posts marcados ‘Igualdade’

Born This Way – Lady Gaga (Tradução)

Nasci Assim

Não importa se você o ama, ou O ama
Apenas levante as mãos
Pois você nasceu assim, baby

 

Minha mãe me dizia, quando eu era jovem
Que nós nascemos como super estrelas
Ela arrumava meu cabelo e me passava batom
No espelho de seu vestiário

 

\”Não há nada de errado em amar quem você é\”
Ela dizia, \”Pois ele te fez perfeita, querida\”
\”Então levante sua cabeça, garota e você irá longe
Ouça-me quando eu digo\”

 

Eu sou linda à minha maneira
Pois Deus não comete erros
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Não se cubra de arrependimentos
Apenas ame-se e você estará bem
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Baby, eu nasci assim

 

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Não seja uma drag, seja uma rainha
Não seja uma drag, seja uma rainha
Não seja uma drag, seja uma rainha
Não seja!

 

Seja prudente
E ame seus amigos
Criança oprimida, exalte sua verdade

 

Na religião da insegurança
Devo ser eu mesma, respeitar minha juventude

 

Um amor diferente não é um pecado
Acredite N-E-L-E (hey hey hey)
Eu amo minha vida e amo esse álbum e
Meu amor precisa de fé (amor precisa de fé)

 

Eu sou linda à minha maneira
Pois Deus não comete erros
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Não se cubra de arrependimentos
Apenas ame-se e você estará bem
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Baby, eu nasci assim

 

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Não seja uma drag, seja uma rainha
Sendo rico ou pobre
Sendo preto, branco, pardo ou albino
Sendo libanês ou oriental
Se a vida trouxe dificuldades
Te deixaram afastado, assediado ou importunado
Exalte e ame-se hoje
Pois você nasceu assim, baby

 

Não importa se você é gay, hétero ou bi
Lésbica ou transexual
Estou no caminho certo
Nasci para sobreviver
Não importa se é preto, branco ou pardo
Albino ou oriental
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci para ser corajoso

 

Eu sou linda à minha maneira
Pois Deus não comete erros
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Não se cubra de arrependimentos
Apenas ame-se e você estará bem
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Baby, eu nasci assim

 

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

 

Nasci assim, hey!
Nasci assim, hey!
Estou no caminho certo, baby
Nasci assim, hey!

 

Nasci assim, hey!
Nasci assim, hey!
Estou no caminho certo, baby
Nasci assim, hey!

 

Anúncios

Deus do amor ou do ódio?

Diversidade 

Mesmo diferentes, todos somos HUMANOS…

O que vem a sua mente quando pensa sobre Deus? Qual palavra você usaria para descrever o significado de Deus para você e em sua vida?
Para mim a palavra é amor. Amor pelos seus filhos, compaixão, paciência, tolerância e fé…

Eu vejo em Deus uma inesgotável fonte de amor. Alguem que nos amou com tanto afinco que nos deixou ser livres para traçarmos nossos próprios caminhos e fazer nossas próprias escolhas, mesmo as vezes não sendo aquilo que ele pessoalmente esperava ou gostaria. Mas quem ama é assim, respeita e não deixa de amar por que se é diferente, mas entende que nem sempre o que a faz feliz também fará a todos felizes, por isso somos indivíduos, cada um perfeito dentro de suas próprias crenças e comportamentos, e todos filhos do mesmo Deus de amor e comprensão…

Infelizmente o que testemunho hoje é um desfile de comportamentos preconceituosos, intolerantes e desrespeitosos, e muitos deles tem se sustentado nos paradigmas criados pelas religiões e na defesa ferrenha de seus seguidores do que eles julgam ser a “vontade de Deus”.

Será que estamos falando do mesmo Deus? Porque eu sinceramente não vejo onde a discriminação e o preconceito encontram lugar no coração de alguem que ama incondicionalmente. Este então não seria o Deus de amor, e sim o Deus do ódio…

Ódio pelo próximo, desrespeito ao livre arbítrio… Ódio por aquilo que é diferente, incompreendido e aos olhos cegados pela ignorancia, assustador.

Pude frequentar várias igrejas e denominações diferentes em várias ocasiões, e um fator comum que sempre ligou todas elas era a imagem do Deus bondoso, Deus do amor, misericordia…

Atitudes como as que estamos presenciando nos ultimos tempos com tanta ignorância e intolerância contra quem escolheu ser diferente da maioria só mostram que muitos dos frequentadores das religiões de nosso país, se não do mundo estão praticando sua fé de maneira equivocada… Estão adorando ao Deus do ódio e da indiferença e não ao Deus do amor que a todos criou…

As pessoas que escolheram viver uma vida diferente daquelas consideradas “normais” merece o mesmo respeito que você exige no seu dia a dia…

Todos querem ser respeitados em sua escolha religiosa, política e pessoal, mas para ser respeitado também é preciso respeitar e entender que nem todos são iguais e terão as mesmas opiniões e gostos.

Por favor amigos, irmãos, filhos assim como eu do Deus de amor, pensem melhor antes de atirar pedras em quem é diferente, aquela pessoa tem os mesmos direitos que você: Direito a vida, ao amor, ao respeito e a igualdade…

Que o Deus de amor esteja com todos nós nos orientando para que assim como ele possamos amar a todos nossos irmãos, mesmo aqueles que são diferentes de nós…

Por RebelHeartbr

Iguais…

Diferentes, mas Iguais!

Por que tanta animosidade irmão?

Por que meu eu te incomoda tanto?

Você me julga diferente, por isso não mereço seu respeito?

Mas pense bem…

Não somos tão diferentes assim, eu e você…

Apesar de nossas religiões serem diferentes, o Deus de amor para quem oramos é o mesmo…

Não temos a mesma raça, mas o sangue que corre nas nossas veias tem a mesma cor…

Não nascemos com o mesmo sexo, mas juntos somos capazes de gerar e criar nova vida!

Podemos não dividir as mesmas opiniões, mas certamente todos buscamos pelo melhor…

Posso não ter a sua altura ou seu peso, mas nosso coração bate no mesmo ritmo e compasso…

Minha opção sexual pode ser diferente da sua, mas ambos buscamos o amor em um relacionamento…

Nossas escolhas são diferentes, mas ambos queremos simplesmente ser felizes…

Fomos criados a partir do mesmo amor…

Diferentes por fora, mas não por dentro…

Compartilhamos a mesma alma sonhadora, os mesmos objetivos e desejos…

É meu irmão, de fato não somos nada diferentes…

Somos todos Iguais!

Por RebelHeartBR

 

Lilith – A Primeira Mulher

 

A história de Lilith é extremamente interessante, pois mostra a primeira mulher criada por Deus, juntamente com Adão do mesmo material que ele, e que se rebelou contra o mesmo por que queria ser tratada com igualdade de direitos. Diria que Lilith é a primeira mulher na história a lutar pela igualdade de direitos e valores entre homens e mulheres. Mas como era de se esperar, sumiram com sua história da Bíblia, e nós ficamos conhecendo somente a segunda esposa de Adão: Eva, a bondosa, matriarcal e submissa mulher…
Consegui encontrar na Wikipedia um resumo bem interessante de como a história de Lilith foi contada e como sua imagem foi “demonizada” devido a sua personalidade independente e forte. Espero que gostem!

"Lilith" de John Collier

LILITH

No folclore popular hebreu medieval, ela é tida como a primeira esposa de Adão, que o abandonou, partindo do Jardim do Éden por causa de uma disputa sobre igualdade dos sexos, chegando depois a ser descrita como um demônio.

De acordo com certas interpretações da criação humana em Gênesis, no Antigo Testamento, reconhecendo que havia sido criada por Deus com a mesma matéria prima, Lilith rebelou-se, recusando-se a ficar sempre em baixo durante as suas relações sexuais. Na modernidade, isso levou a popularização da noção de que Lilith foi a primeira mulher a rebelar-se contra o sistema patriarcal.

Assim dizia Lilith: ‘‘Por que devo deitar-me embaixo de ti? Por que devo abrir-me sob teu corpo? Por que ser dominada por ti? Contudo, eu também fui feita de pó e por isso sou tua igual.’’ Quando reclamou de sua condição a Deus, ele retrucou que essa era a ordem natural, o domínio do homem sobre a mulher, dessa forma abandonou o Éden.

Três anjos foram enviados em seu encalço, porém ela se recusou a voltar. Juntou-se aos anjos caídos onde se casou com Samael que tentou Eva ao passo que Lilith Tentou a Adão os fazendo cometer adultério. Desde então o homem foi expulso do paraíso e Lilith tentaria destruir a humanidade, filhos do adultério de Adão com Eva, pois mesmo abandonando seu marido ela não aceitava sua segunda mulher. Ela então perseguiria os homens, principalmente os adúlteros, crianças e recém casados para se vingar.

Após os hebreus terem deixado a Babilônia Lilith perdeu aos poucos sua representatividade e foi eliminada do velho testamento. Eva é criada no sexto dia, e depois da solidão de Adão ela é criada novamente, sendo a primeira criação referente na verdade a Lilith no Gênesis.

No período medieval ela era ainda muito citada entre as superstições de camponeses, como deixar um amuleto com o nome dos 3 anjos que a perseguiram para fora do Éden, Sanvi, Sansavi e Samangelaf para que ela não o matasse, assim como acordar o marido que sorrisse durante o sono, pois ele estaria sendo seduzido por Lilith.

A imagem de Lilith, sob o nome Lilitu, apareceu primeiramente representando uma categoria de demônios ou espíritos de ventos e tormentas na Suméria por volta de 3000 A.C. Muitos estudiosos atribuem a origem do nome fonético Lilith por volta de 700 A.C.

Ela é também associada a um demônio feminino da noite que originou na antiga Mesopotâmia. Era associada ao vento e, pensava-se, por isso, que ela era portadora de mal-estares, doenças e mesmo da morte. Porém algumas vezes ela se utilizaria da água como uma espécie de portal para o seu mundo. Também nas escrituras hebraicas (Talmud e Midrash) ela é referida como uma espécie de demônio.

Talvez dada a sua longa associação à noite, surge sem quaisquer precedentes a denominação screech owl, ou seja, como coruja, na famosa tradução inglesa da bíblia, na Bíblia KJV ou King James Version. Ali está escrito, em Isaías 34:14 que … the screech owl also shall rest there. É preciso salientar, comparativamente, que na renomada versão em língua portuguesa da bíblia, isto é, na tradução de João Ferreira de Almeida, esta passagem relata que … os animais noturnos ali pousarão, não havendo menção da coruja[1], como é freqüentemente, muito embora erroneamente, citado no Brasil (tratando-se de um claro exemplo da forte influência da cultura anglo-saxã no mundo lusófono atual).

Na Suméria e na Babilônia ela ao mesmo tempo que era cultuada era identificada com os demônios e espíritos malignos. Seu símbolo era a lua, pois assim como a lua ela seria uma deusa de fases boas e ruins. Alguns estudiosos assimilam ela a várias deusas da fertilidade, assim como deusas cruéis devido ao sincretismo com outras culturas. A imagem mais conhecida que temos dela é a imagem que nos foi dada pela cultura hebraica, uma vez que esse povo foi aprisionado e reduzido à servidão na Babilônia, onde Lilith era cultuada, é bem provável que vissem Lilith como um símbolo de algo negativo. Vemos assim a transformação de Lilith no modelo hebraico de demônio. Assim surgiu as lendas vampíricas: Lilith tinha 100 filhos por dia, súcubus quando mulheres e íncubus quando homens, ou simplesmente lilims. Eles se alimentavam da energia desprendida no ato sexual e de sangue humano. Também podiam manipular os sonhos humanos, seriam os geradores das poluções noturnas. Mas uma vez possuído por uma súcubus, dificilmente um homem saía com vida.

Há certas particularidades interessantes nos ataques de Lilith, como o aperto esmagador sobre o peito, uma vingança por ter sido obrigada a ficar por baixo de Adão, e sua habilidade de cortar o pênis com a vagina segundo os relatos católicos medievais. Ao mesmo tempo que ela representa a liberdade sexual feminina, também representa a castração masculina.

Pensa-se que o Relevo Burney (ver alusões à coruja na reprodução do Relêvo de Burney, nesta página), um relevo sumério, represente Lilith; muitos acreditam também que há uma relação entre Lilith e Inanna, deusa suméria da guerra e do prazer sexual.

Algumas vezes Lilith é associada com a deusa grega Hécate, “A mulher escarlate”, um demônio que guarda as portas do inferno montada em um enorme cão de três cabeças, Cérbero. Hécate, assim como Lilith, representa na cultura grega a vida noturna e a rebeldia da mulher sobre o homem.

Fonte: Wikipedia

CAMPANHA: Chega de Rótulos!

Branco, Preto, Gay, Hetero, Bi, Traveco, Viado, Bicha, Sapata, Gordo, Magro…

Rótulos, rótulos e mais rótulos que são usados indiscriminadamente pelas pessoas para definir outras pessoas de maneira totalmente superficial… Cansei dos rótulos…

Sabe o que eu sou? Uma pessoa, assim como você e todas as outras…

O que me define? Meu caráter, meus sentimentos e minhas idéias… Isso é o que sou…

Do que importa saber se a pessoa é branca, negra, alta, baixa, gorda, magra, hetero ou homo? Esses rótulos não mudam o que a pessoa é de fato, por dentro, em seu coração e em sua mente…

Então, vamos começar a enxergar nas pessoas e na humanidade o que realmente importa? Quem elas são e não os rótulos que são usados para definí-las…

Vamos parar de apontar, ridicularizar, fazer piadas de mal gosto e simplesmente viver e deixar viver. Ser para as pessoas aquilo que gostaríamos que fossem pra nós…

Olhar alem dos “rótulos”, e enxergar o verdadeiro “Eu” de cada um e todas as belezas e valores reais de cada um.

Dá próxima vez que olhar para alguem, olhe essa pessoa nos olhos, enxergue sua alma e você verá que são exatamente iguais, mesmo que exteriormente sejam diferentes…

Da próxima vez que encontrar alguem que tenha feito escolhas diferentes das suas na vida, procure compreender que assim como você, essa pessoa também tem direito de escolher e ser respeitada por isso…

Passe a olhar o mundo e as pessoas não com os olhos físicos, mas com os olhos do amor…

Deus Pai/Mãe é nosso maior exemplo… Fomos todos criados a partir do amor, livres para escolher nossos caminhos, livres para ser quem somos e mesmo assim, sendo diferentes somos amados e respeitados, pois Deus Pai/Mãe consegue ver além dos rótulos que nós mesmos criamos, e enxerga o que realmente somos…

Vivam o amor que Deus Pai/Mãe nos mostrou e olhem com os olhos do amor…

E não importa a cor, raça, sexo ou sexualidade… No final das contas, somos todos luz e energia, crescendo e evoluindo para um dia estarmos todos juntos novamente junto a grande energia de amor que nos criou…

Não julguem, não rotulem… Simplesmente AMEM!

gaia2

Por RebelHeartBR

Almas Gêmeas ou Afins?

Estive pensando muito sobre as ligações e laços que trazemos desde o princípio dos tempos e percebi que na verdade, não existem almas gêmeas e sim almas afins.

Pensar em almas gêmeas remete a almas que seriam identicas, iguais… Mas sabemos que não existe ninguem igual a ninguem. Todos somos únicos e possuímos nossa própria identidade. Então pensar em alguém exatamente igual em todos os aspectos se torna utópico e até mesmo absurdo.

Acho que temos sim almas afins. Pessoas que dividiram conosco da mesma centelha de criação e em dado momento se separaram em várias almas para seguirem caminhos e experimentar vivencias diferentes… 

Quando começei esse blog, o primeiro texto que escrevi falava sobre a possibilidade de amar mais de uma pessoa, de ter mais de uma alma gêmea. Hoje entendo que são almas afins e que na verdade a alma gêmea não existe.

Continuo acreditando que temos pessoas especiais em nossos caminhos, pessoas com quem compartilharemos nossas vidas, nosso amor e nossa alma, mas hoje eu simplesmente acredito que as pessoas possam ser especiais em nossas vidas sem que tenham que ser iguais a gente.

As vezes encontramos pessoas que se parecem muito conosco, dividem muitos de nossos ideiais, mas que ainda sim são diferentes de nós. Isso é afinidade e não igualdade.

Então que venham as almas afins e que ao se reencontrarem possam dividir, aprender e ensinar o que os caminhos distintos de cada uma as fez aprender.

sirius

Por RebelHeartBR

8 de Março – Dia Internacional da Mulher

História do 8 de março

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o “Dia Internacional da Mulher”, em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU(Organização das Nações Unidas).

Objetivo da Data

Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.

Conquistas das Mulheres Brasileiras

Podemos dizer que o dia 24 de fevereiro de 1932 foi um marco na história da mulher brasileira. Nesta data foi instituído o voto feminino. As mulheres conquistavam, depois de muitos anos de reivindicações e discussões, o direito de votar e serem eleitas para cargos no executivo e legislativo.

Marcos das Conquistas das Mulheres na História

  • 1788 – o político e filósofo francês Condorcet reivindica direitos de participação política, emprego e educação para as mulheres.

  • 1840 – Lucrécia Mott luta pela igualdade de direitos para mulheres e negros dos Estados Unidos.

  • 1859 – surge na Rússia, na cidade de São Petersburgo, um movimento de luta pelos direitos das mulheres.

  • 1862 – durante as eleições municipais, as mulheres podem votar pela primeira vez na Suécia.

  • 1865 – na Alemanha, Louise Otto, cria a Associação Geral das Mulheres Alemãs.

  • 1866 – No Reino Unido, o economista John S. Mill escreve exigindo o direito de voto para as mulheres inglesas

  • 1869 – é criada nos Estados Unidos a Associação Nacional para o Sufrágio das Mulheres

  • 1870 – Na França, as mulheres passam a ter acesso aos cursos de Medicina.

  • 1874 – criada no Japão a primeira escola normal para moças

  • 1878 – criada na Rússia uma Universidade Feminina

  • 1901 – o deputado francês René Viviani defende o direito de voto das mulheres

    Texto emprestado do site SuaPesquisa

  • Nuvem de tags