Confissões de um coração rebelde…

Posts marcados ‘Libertação’

Em Meus Braços…

Eliseu-Antonio-Gomes_EAG_Confeitari

Desejo um mundo perfeito…

Onde sentir não fosse proibido…

Onde o diferente fosse respeitado…

Onde o amor fosse a única e maior força…

Onde todos pudessem ser o que de fato são…

Onde todos pudessem sentir o que de fato sentem…

Onde se pudesse viver a vida que realmente deseja…

Sempre…

Queria poder te carregar em meus braços…

Cuidar de você…

Livrar-te de teus medos…

Curar as feridas em seu coração…

Dar-te o mundo perfeito dos sonhos, todos os dias…

Pra que o amor que está em seu coração pudesse fluir…

E você se permitisse sentir e simplesmente deixar ser…

Aquele amor que você tanto desejou…

E que encontrou aqui e também dentro de você…

Feche seus olhos, me de a sua mão…

Ande comigo, eu guiarei seus passos…

Estarei sempre ao seu lado…

Confie em mim…

Pois eu sou o amor que você sempre sonhou…

Eu sou o amor que vive em seu coração…

Por RebelHeartBR

Anúncios

A Árvore e o Pássaro

 

img

 

Lá estava eu…

Uma bela e majestosa árvore, com minha folhagem protuberante, tronco rígido e raízes bem fincadas a terra…

 

De onde estava acompanhava todos os dias a vida acontecer, mesmo que não pudesse fazer muita coisa para participar da mesma…

Se precisava de alimento, dependia que chovesse onde eu estava ou que algum estranho se compadecesse de minha fome, e me desse água.

Estava presa, totalmente dependente, expectadora da vida e de seu curso.

 

Me sentia triste, pois sentia o vento em minha copa, mas não podia me deixar levar por ele…

Via por vezes o por do sol, mas jamais conseguiria ir ao seu encontro…

Olhava as crianças que corriam e se agarravam a minha volta… Ah e como eu gostaria de poder brincar com elas, mas eu era só uma árvore, o que poderia eu fazer se as raízes ali me prendiam?

Nada… Absolutamente nada… Tinha que observar e me contentar com esse papel…

E quantas vezes então fui ferida, arrancaram-me as folhas, os galhos foram quebrados, meu tronco foi dilacerado? E eu ali, passiva, esperando os dias passaram e cada vez mais triste por ter nascido uma árvore… Isso não é destino pra ninguém…

 

Os dias se arrastavam devagar, pra dizer a verdade, eu não via a hora que aquele martírio terminasse… Como e quantas vezes desejei que alguém resolvesse me arrancar dali… Naquele ponto, morrer não parecia tão ruim assim…

 

E em um desses dias como todos os outros que eu vivia, vi uma bela ave, um pássaro lindo, e ele planava e brincava com seu corpo, deixando-se levar pelas correntes de ar, mergulhando no lago próximo dali, voando muito alto, e por diversas vezes, dava rasantes bem rentes ao chão para ver até onde conseguia ir…

Uma coisa mudou em meu coração a partir dali… Como eu gostaria de ser um pássaro… Ir onde desejasse, não ter limites e experimentar aquilo que quisesse, sem depender de ninguém mais, jamais…

 

E esse pássaro passou a ser uma visita constante…

Todos os dias, lá estava ele… Voava, brincava, se alimentava e ia embora… Feliz, com certeza…

 

Esse pássaro tinha uma luz muito bonita, ele irradiava felicidade e liberdade para quem quisesse ver… Eu por minha vez, cada vez mais frustrada com minha condição de árvore dependente e presa ali pra sempre (ou até uma alma caridosa me derrubar) estava murcha, sem graça, sem brilho… Havia caído em minha própria escuridão, e agora a auto piedade era meu consolo, minha fuga… Observar esse pássaro todos os dias era a única coisa que me trazia algo parecido com alegria, pois por alguns momentos me imaginava como ele, e sentia o gostinho da liberdade que tanto almejei.

 

Percebendo minha dor, um dia ele decidiu se aproximar…

Chegou junto a mim, e me perguntou por que estava tão triste… Ele havia notado que eu só ganhava um pouco de luz quando o via voando e isso lhe deixou curioso…

 

Eu lhe contei minha história, contei-lhe da minha infelicidade em ser uma árvore que esse destino me fazia muito triste e que queria muito ser como ele, poder voar, sem destino, sem nada que me prendesse, sem depender de ninguém pra isso. Queria ser livre, fazer minhas próprias escolhas, trilhar meu próprio caminho…

Disse que cada vez que o via voando, tentava alcança-lo, mas as raízes eram fortes, nem sequer conseguia me mover e isso estava me matando.

 

Nunca fui uma árvore muito feliz. Olhava todas as árvores ao meu redor, conformadas e pseudo-felizes com sua condição… Se achavam o máximo, fortes, imponentes… Achavam que todos dependiam delas, quando na verdade, sempre foi o oposto…

Desdenhavam daqueles que não tinham raízes… Chamavam essas pessoas de sem rumo, perdidas, quando na verdade isso se chama ser livre.

Nunca me contentei com o pouco que consegui ali, sabia que minha alma estava destinada a algo maior e melhor e isso era frustrante… Com certeza nascer árvore foi um erro grotesco de quem me criou… Onde já se viu, ao invés de me dar asas, me prender com raízes?

 

O pássaro ouviu todos os meus lamentos e lamúrias, atento a cada detalhe daquilo que meu coração agora dividia com ele…

Percebi que ele riu, a principio achei que estava debochando de minha situação, mas seu riso era de complacência e não ironia…

Ele me disse então que na verdade eu não havia nascido uma árvore. E que eu já não me lembrava de meu passado (outra desvantagem em ser uma árvore, você esquece de muita coisa…).

Ele me contou que na verdade todos nasciam como pássaros… E que hora ou outra da vida, muitos pássaros acabavam sucumbindo a opiniões alheias, ficavam dependentes, perdiam a vontade de voar e explorar, se apegavam a coisas, pessoas e lugares e quando menos esperavam, suas raízes apareciam, se fincavam ao chão e ele se tornava uma árvore, se esquecendo completamente do tempo em que era um pássaro e era livre.

Não podia acreditar nos meus ouvidos… Então todo esse sofrimento, essa dependência, essa vida limitada e mixuruca que eu vivo foi escolha minha? Nossa, como pude permitir-me ser dominada, submetida à vontade alheia dessa forma? Como pude me apegar tanto a necessidade de agradar aos outros a ponto de perder a mim mesma?

E então eu chorei… Chorei como nunca havia chorado antes… Me arrependi amargamente do destino que eu mesma impus para minha vida, me arrependi de tudo o que não tinha vivido por medo, apego e submissão…

 

A linda ave se aproximou, enxugou minhas lágrimas e com seu bico começou a cortar minhas raízes… Nossa, isso doía muito, pedi que parasse, mas ele me disse que sabia o que estava fazendo…

Confiei, agüentei tudo ali… Quando ele conseguiu cortar a última raiz que me prendia a terra, algo mágico aconteceu…

 

Já não tinha mais uma folhagem, mas eu tinha asas… Já não era mais uma árvore, tinha voltado a ser um pássaro…

Meu coração disparou, chorei de felicidade…

 

Eu era livre novamente… Livre para voar pra onde meu coração desejasse, livre para fazer minhas escolhas, para ser feliz… Livre…

 

Agradeci ao pássaro que me salvara… Você mudou minha vida, eu disse…

E ele me disse que não… Na verdade ele sempre esteve ali, mas ninguém nunca havia notado antes de mim, pois estavam todas muito condicionadas as vidas limitadas que escolheram…

Disse que eu estava livre pois meu coração assim o desejou e eu passei a nota-lo nos seus vôos diários, e tudo o que fez foi atender o pedido que meu coração fazia… Queria ser livre e agora era…

Estava de volta ao início, livre como vim ao mundo antes de permitir-me ser aprisionada pelos meus próprios medos, dependências e submissão…

 

Sinto o vento agora sob minhas asas e me deixo levar… A felicidade que a liberdade me trouxe me deu um novo ânimo, soprou vida nova em mim…

Eu que nasci pássaro, me tornei árvore, e me libertei novamente…

 

Vôo para me encontrar com o por do sol…

Vôo em direção ao infinito.

Sem destino.

Sou livre, o amor é meu caminho.

 

Por RebelHeartBR

Intensamente…

Intensa.

 

Essa é a definição de minha vida e de meus sentimentos…

 

Vivo cada momento, aproveito cada experiência, sinto todo sentimento que nasce em meu coração como se fosse a última vez.

Não gosto de adiar, não gosto de fazer rodeios… Esqueço-me do passado, não me importo com o futuro e desfruto intensamente o presente.

 

Não confundam o que vou dizer com desejo de morrer ou coisa do tipo, porque eu amo viver, e amo minha vida.

Acontece que tenho um sentimento muito forte em mim, desde que era adolescente de que minha passagem por essa vida seria curta.

 

Considero uma dádiva. Sentir que me falta pouco tempo me impulsiona a viver minha vida da maneira como vivo.

Não dá tempo de adiar nada, de lutar contra sentimentos, de me desviar do caminho que quero seguir… Não me dou ao luxo de esperar.

Participo ativamente da vida e do viver, não assisto minha vida passar, eu faço ela acontecer.

 

Bom seria se todo mundo levasse a vida dessa forma. Cada minuto como se fosse seu último. Viver cada momento sem se preocupar com o depois…

 

Dizer “Eu te amo” para as pessoas que você ama…

Estar na companhia de quem você ama…

Comprar as coisas que você sempre quis…

Abraçar e fazer muito carinho pras pessoas que são importantes em nossas vidas…

Beijar quem tiver vontade…

Viajar…

Fazer amor…

Não lutar contra os sentimentos e designos de seu coração, mas seguí-los e ser feliz.

 

Vivam meus queridos. Façam dessa a sua história. Parem de adiar, de esperar, de se esconder, de temer…

 

A vida é uma dádiva e deve ser apreciada como tal. Saboreada, devorada… Todos os dias, como se fosse o seu último…

 

twister2

 

Por RebelHeartBR

 

 

 

 

O Início

Intimidade;

Respeito;

Amor;

Liberdade…

 

Quando estamos ali, nada mais importa…

Não existe mais medo, vergonha, problemas e preocupações…

Liberdade, livres…

 

Então nos voltamos para o início de tudo…

Onde a comunhão entre os seres era plena…

Onde ninguém cuidava da vida de ninguém…

Onde o sexo era natural, essencial e belo…

 

Voltamos para o princípio onde não existiam tabus,

Onde não havia preconceito,

Religiões, doutrinas, crenças… Nada…

 

Só o elementar…

Inocência, interação, prazer…

De forma pura e descomplicada…

Cada um sendo quem é, satisfazendo a sua vontade…

Em comunhão com seus sentimentos mais profundos…

 

Dividimos, brincamos, nos satisfazemos plenamente…

Como crianças despreocupadas…

Afinal, nada mais importa, pois ali naquele momento somos quem somos…

De volta ao início.

Voltados para nossa essência, nossos desejos e nossas vontades…

 

Carinho, desejo, sedução…

Sexo, natural, perfeito, puro, livre…

Respeito, intimidade e liberdade…

 

Dividimos cada centímetro de nosso ser…

Cada toque, beijo e suspiro…

 

Experimentamos um ao outro, experimentamos a nós mesmos…

 

Nos aproximamos de nossa essência,

Somos criaturas e criador…

Somos quem somos…

 

Somos livres… de verdade…

 

Por RebelHeartBR

 

Nuvem de tags