Confissões de um coração rebelde…

Posts marcados ‘Plenitude’

Amor, respeito e felicidade

Uma história que poderia ser a sua…

Certa vez conheci um rapaz muito bacana. Filho mais velho de sua família, cresceu em um lar onde a religião era a pedra fundamental, o alicerce de todas as crenças e doutrinas…

Foi educado nessa religião, mas bem lá no fundo não se sentia bem e muito menos era feliz, pois seu coração lhe mostrava que era diferente daquilo que a sua religião pregava como “certo” e “moral” e ele sofria muito por isso…

Sempre ouviu que sua “missão” era formar uma família… Crescer, trabalhar junto a igreja, encontrar uma boa moça da sua religião, casar-se e ter tantos filhos quantos fossem “mandados” pelo Senhor. Cresceu ouvindo que tudo o que fosse diferente daquilo, tudo que fosse contra a ideologia de sua religião era errado, imoral e obra do “maligno”.

Não existia amor nem piedade…

Não existia respeito nem aceitação…

Só existiam mandamentos, que se não fossem seguidos a risca, não lhe dariam seu lugar de direito no Paraíso quando ele morresse…

Com toda essa intolerância por parte de sua igreja e também de sua familia que seguia a risca o “passo a passo” de sua religião, ele se via perdido, sentindo-se um pecador sujo pois não se encaixava naquela doutrina…

Aquilo que estava em seu coração lhe trazia felicidade de verdade, mesmo se sentindo culpado por ter aqueles sentimentos, aquilo lhe fazia feliz, seus olhos brilhavam, sentia seu coração disparado pois havia encontrado o amor.  Ele havia se apaixonado por outro rapaz…

Quando sua família ficou sabendo, o tratou como degenarado, como se o que tivesse sentindo fosse uma doença e que precisava se voltar mais ainda pra sua religião para que pudesse ser “curado”… Ele foi julgado e condenado por ser diferente.

Hoje ele é um membro ativo de sua igreja e está casado com uma moça que conheceu lá… Hoje sua família olha pra ele com orgulho do que ele se tornou…

Mas é impossível não notar, quando se olha em seus olhos de que a felicidade não está lá. Por traz do sorriso e da alegria aparente, vive alguem que morreu por dentro para poder seguir sua doutrina e viver as expectativas de sua familia para sua vida…

Agora eu pergunto…

Valeu a pena abrir mão de um amor de verdade e de sua própria felicidade para seguir uma doutrina de alguem que simplesmente é incapaz de amar e respeitar aqueles que são diferentes em suas escolhas?

Quando amamos alguem de verdade, queremos que essa pessoa seja feliz e sabemos respeitar suas escolhas…

Na verdade ele nunca foi amado, nem por sua família nem por sua igreja… Eles amam sua imagem, o que ele se tornou, mas são incapazes de mostrar amor por quem ele realmente é, não respeitaram seus verdadeiros sentimentos, não respeitaram que ele era de verdade…

Pra minha vida não quero amor falso e respeito mentiroso… Não me contentaria jamais em ser alguem que não sou só pra agradar os outros, pois aqueles que me amam não precisam ser alimentados com mentiras, eles não tecem expectativas sobre minha vida e minhas escolhas, eles simplesmentem me amam e respeitam pelo que sou…

Então amigos, se alguem ou alguma ideologia ou doutrina não te amam e te respeitam o suficiente para te aceitar como você é, eles não merecem que você mude por eles…

Sejam felizes, sejam vocês, se amem e se respeitem sempre…

Façam sua vida valer a pena, vivam com plenitude.

Por RebelHeartBR

Anúncios

Sentimentos

segredo-felicidade

Quem somos nós, senão um apanhado de nossos sentimentos, vontades e desejos?

 

Tentar entender, controlar, explicar… Não dá, é impossível pois não há lógica em sentir.

 

Engraçado como as coisas são, noutro dia, por um momento, pensei que o mundo havia parado de girar, não havia nenhum outro som, nenhuma outra imagem, nenhuma sensação… Só estava eu, alí em meio ao universo, ouvindo apenas o som de minha respiração e das batidas de meu coração… E quando estava naquele momento, fui tomada por um extase que incendiou minha alma, meu coração pareceu querer explodir pra fora do meu peito, senti uma sensação de conforto e uma alegria tamanha que nunca havia sentido, e eu chorei, sem querer as lágrimas simplesmente correram por meu rosto…

 

Sei que o que experimentei foi a sensação de felicidade plena, que a gente sente quando está em paz consigo, com os sentimentos e com o amor.

 

E senti tudo isso enquanto me lembrava de nós e de tudo que estamos vivendo…

 

Tentei por muito tempo explicar o inexplicável, controlar o incontrolável… Dessa vez vou simplesmente sentir…

 

Sentimentos existem para serem sentidos e não entendidos… E é por isso que eu simplesmente amo você 😀

 

Pouco me importa o mundo, o certo, o errado, os conceitos e o que os outros pensam saber sobre a vida…

 

Pra mim o que importa é o que eu sinto…

 

Me importa a alegria que sinto quando estamos juntos, pois sei que alí somos apenas um, novamente como era no ínicio…

 

Me importa simplesmente olhar em seus olhos e sem nada precisar dizer, ver o amor e a felicidade neles estampados…

 

Me importa as lições que ensinamos um ao outro, as experiências vividas e tudo o que seguimos aprendendo…

 

Me importa sentir que entre nós, somos autênticos sem precisar de máscaras, personagens ou fantasias, e nos amamos mesmo assim…

 

Me importa saber que mesmo independentes, a saudade bate e sentimos falta um do outro…

 

Me importa saber que podemos sempre contar um com o outro, seja na alegria ou na dor… Estarei sempre contigo!

 

Me importa a alegria que damos um ao outro, os sorrisos, as piadas…

 

Me importa é sentir o carinho, a leveza e o amor em seus toques e em seus beijos e saber que se sente exatamente da mesma maneira…

 

Me importa é o respeito e todo o amor que compartilhamos…

 

Por mim, mas também por você hoje sou uma pessoa melhor…

 

Por você eu mudaria o mundo e moveria montanhas…

 

Te daria minha vida, se preciso fosse…

 

Por que?

 

Por que quando estamos juntos, somos um e tudo vale a pena!

 

Por que isso tudo é simplesmente amor!!! 😀 😉

 

Por RebelHeartBR

Viver na Mentira

 

Por que temos que fingir tanto?

Fingir que estamos felizes no trabalho, nos relacionamentos, no amor, na vida…

Aposto que se você questionar algumas pessoas a respeito da razão que as motivou a escolher a profissão que seguem atualmente, quase todas lhe dirão que foi por retorno financeiro, recomendação dos pais, mercado de trabalho, etc… Mas quantas pessoas te dirão que escolheram essa profissão por amor? Quase nenhuma…

Temos um costume inconsciente de querer agradar e fazer parte de um todo. Queremos ser parte do rebanho, inclusos na sociedade e em tudo o que ela determina, nem que pra isso tenhamos que deixar de lado todos os nossos sentimentos e nossas vontades…

Será que vale a pena enganar a si próprio pra satisfazer o ego ou desejo de outras pessoas? Viver uma vida pela metade de maneira frustrada, só pra ser “politicamente correto” ou “igual à maioria”?

Quantos casamentos se arrastam longos anos a fio, sem amor, por conveniência ou só pra dizer que se tem alguém do lado?

Quantas mulheres tem filhos, não por assim desejarem, mas pra agradar o capricho do marido ou atender as exigências da família?

Quantos amores verdadeiros deixamos de viver, com medo do julgamento dos olhos preconceituosos dos outros?

Quantas pessoas você conhece assim? Você é uma delas não é mesmo?

Por que nos maltratamos tanto? Por que nos enganamos dessa maneira?

É hora de começar a ouvir…

A voz mais importante de todas…

Que por tanto tempo você tentou calar…

A sua voz!

 

Por RebelHeartBR

O Amor segundo Kim McMillen…

Amigos, recentemente fui informada que na verdade Chaplin NÃO é o autor desse belíssimo texto que postei, então estou dando à autora os devidos créditos. Manterei a imagem de chaplin, pois de toda forma mesmo não sendo dele, o texto ilustra bem sua maneira de ser… Abraços a todos…

cchaplin

Chega de Definições, é preciso amar e respeitar

respeito1

 

Vivemos no mundo das definições e dos rótulos. E particularmente eu já me cansei disso, não precisamos nos sujeitar a eles…

 

Milhares e milhares de anos a fio de pura lavagem cerebral nos trouxeram para esse patamar miserável onde nos encontramos hoje. Toda a humanidade, com suas raras exceções, vive suas vidas de acordo com essas definições, que não são nada mais do que escolhas para SUA vida feita por OUTRAS pessoas no passado.

 

O que é certo e o que é errado? A resposta dessa pergunta deveria variar de pessoa a pessoa, mas o pensamento coletivo que se instalou nas pré-programadas mentes humanas tem inúmeras respostas pra essa pergunta:

 

O Certo é ser Heterossexual.

O Certo é se casar e ter filhos.

O Certo é ter uma religião Cristã.

O Certo é seguir os ensinamentos da Bíblia.

O Certo… Blá, Blá, Blá…

 

Então segundo o código de ética dos hipócritas, para ser “Certo” e ser “Digno” do amor de seu criador, nós devemos nos enquadrar nessa linha de pensamento pré-determinada por uma massa controladora que deseja dominar pela opressão e pelo terrorismo. Terrorismo esse que não consiste em explodir prédios ou coisas do tipo, mas destrói o indivíduo, o ser pensante e inteligente que vive em cada um.

Seguindo essa cartilha, temos pessoas casadas por conveniência e não pelo amor, vemos filhos nascendo para perpetuar a espécie e não por terem verdadeiramente sido desejados pelos seus pais. Vemos uma massa robotizada lotando as igrejas mundo afora, repetindo como papagaios um monte de palavras e textos que nem sabe ao certo o que significa, ao invés de buscar em seus corações pelas respostas que procura junto ao criador.

 

Esse é o efeito das definições e dos rótulos. Não existe respeito.

 

Pra começar, o amor mais importante na nossa vida tem que ser o amor próprio. Quando nos amamos de verdade somos capazes de enxergar as coisas de forma mais clara e tomar as nossas decisões baseados naquilo que trará nossa felicidade.

 

Muitas pessoas hoje se anulam. Aprendem desde cedo as definições e os rótulos e preferem ser infelizes a ter que carregar um desses rótulos ou magoar outra pessoa.

 

Não precisamos de definições, nem de rótulos.

Não sou Negra ou Branca, nem sou Hetero ou Homo, Não sou Cristã nem Atéia… Eu sou HUMANA. Tenho todo direito divino de ser e fazer aquilo que me trará felicidade, plenitude. Se por acaso conhecesse uma mulher cuja alma fosse maravilhosa, alguém que valesse mesmo a pena, que me completasse, para mim eu não seria uma mulher diante de outra mulher, mas uma pessoa diante de outra pessoa, duas almas compatíveis a fim de dividir experiências e crescer juntas.

 

Hoje pouco me importa se a pessoa que está diante de mim é homem, mulher, Hetero ou Homo, Branca ou Negra, cristã ou ateu… Eu vejo alem, olho o interior, vejo a alma e tudo àquilo que realmente importa. Vejo um ser humano em toda sua graça e glória.

 

O mundo perfeito, onde todos vivessem em paz é tão simples de se conseguir. Bastaria que cada um tivesse duas coisas: Amor e Respeito.

Respeitar as decisões de cada pessoa e amar incondicionalmente.

 

Não precisaríamos nos preocupar com mais nada. Cada um seguiria sua vida em busca da felicidade e aqueles a sua volta o amariam independente de suas escolhas. Simples não é mesmo? Por que gostamos tanto de complicar as coisas?

 

Eu não tenho mais definições e na minha vida não existe mais espaço para elas. Eu sou uma pessoa em busca da felicidade. Sigo meu caminho a meu modo, respeito às demais pessoas e suas escolhas e amo-as independente de qualquer coisa…

 

Chega de sofrimento, de medo, de preconceitos idiotas, de se anular e se frustrar. Chega de relacionamentos de mentira, chega de mentir para si mesmo.

Viva sua vida sem definições, não se preocupe com os rótulos, respeite as pessoas e suas escolhas e ame-as sempre.

 

Por RebelHeartBR

Nuvem de tags