Confissões de um coração rebelde…

Posts marcados ‘Realidade’

Amor, respeito e felicidade

Uma história que poderia ser a sua…

Certa vez conheci um rapaz muito bacana. Filho mais velho de sua família, cresceu em um lar onde a religião era a pedra fundamental, o alicerce de todas as crenças e doutrinas…

Foi educado nessa religião, mas bem lá no fundo não se sentia bem e muito menos era feliz, pois seu coração lhe mostrava que era diferente daquilo que a sua religião pregava como “certo” e “moral” e ele sofria muito por isso…

Sempre ouviu que sua “missão” era formar uma família… Crescer, trabalhar junto a igreja, encontrar uma boa moça da sua religião, casar-se e ter tantos filhos quantos fossem “mandados” pelo Senhor. Cresceu ouvindo que tudo o que fosse diferente daquilo, tudo que fosse contra a ideologia de sua religião era errado, imoral e obra do “maligno”.

Não existia amor nem piedade…

Não existia respeito nem aceitação…

Só existiam mandamentos, que se não fossem seguidos a risca, não lhe dariam seu lugar de direito no Paraíso quando ele morresse…

Com toda essa intolerância por parte de sua igreja e também de sua familia que seguia a risca o “passo a passo” de sua religião, ele se via perdido, sentindo-se um pecador sujo pois não se encaixava naquela doutrina…

Aquilo que estava em seu coração lhe trazia felicidade de verdade, mesmo se sentindo culpado por ter aqueles sentimentos, aquilo lhe fazia feliz, seus olhos brilhavam, sentia seu coração disparado pois havia encontrado o amor.  Ele havia se apaixonado por outro rapaz…

Quando sua família ficou sabendo, o tratou como degenarado, como se o que tivesse sentindo fosse uma doença e que precisava se voltar mais ainda pra sua religião para que pudesse ser “curado”… Ele foi julgado e condenado por ser diferente.

Hoje ele é um membro ativo de sua igreja e está casado com uma moça que conheceu lá… Hoje sua família olha pra ele com orgulho do que ele se tornou…

Mas é impossível não notar, quando se olha em seus olhos de que a felicidade não está lá. Por traz do sorriso e da alegria aparente, vive alguem que morreu por dentro para poder seguir sua doutrina e viver as expectativas de sua familia para sua vida…

Agora eu pergunto…

Valeu a pena abrir mão de um amor de verdade e de sua própria felicidade para seguir uma doutrina de alguem que simplesmente é incapaz de amar e respeitar aqueles que são diferentes em suas escolhas?

Quando amamos alguem de verdade, queremos que essa pessoa seja feliz e sabemos respeitar suas escolhas…

Na verdade ele nunca foi amado, nem por sua família nem por sua igreja… Eles amam sua imagem, o que ele se tornou, mas são incapazes de mostrar amor por quem ele realmente é, não respeitaram seus verdadeiros sentimentos, não respeitaram que ele era de verdade…

Pra minha vida não quero amor falso e respeito mentiroso… Não me contentaria jamais em ser alguem que não sou só pra agradar os outros, pois aqueles que me amam não precisam ser alimentados com mentiras, eles não tecem expectativas sobre minha vida e minhas escolhas, eles simplesmentem me amam e respeitam pelo que sou…

Então amigos, se alguem ou alguma ideologia ou doutrina não te amam e te respeitam o suficiente para te aceitar como você é, eles não merecem que você mude por eles…

Sejam felizes, sejam vocês, se amem e se respeitem sempre…

Façam sua vida valer a pena, vivam com plenitude.

Por RebelHeartBR

Anúncios

Real versus Virtual

Alguns sintomas pra saber se você sofre da “Febre Virtual”

 

1 – A primeira coisa que você faz quando chega em casa e se conectar a internet e ver quem ta “On-line”.

2 – Telefone? O que é isso, legal mesmo é SMS, MSN, Orkut…

3 – Não sabe o verdadeiro nome de muitos de seus amigos, só os Nicknames.

4 – Seu círculo de amigos virtuais é bem maior do que os amigos de carne e osso.

5 – Checa seus e-mails no mínimo umas 2 vezes por dia.

6 – Está perdidamente apaixonado(a) pela sua “alma gêmea” que conheceu na net e já “namora” faz mais de um ano, que mora longe de você e que você nunca conheceu pessoalmente.

7 – Troca refeições, banhos e até mesmo sair para ficar na frente do computador.

8 – Não assiste mais TV, nem vai ao Cinema, vê tudo on-line ou baixa pelo emule.

9 – Um dia sem banda larga pra você é fim do mundo.

10 – Seu computador se torna uma extensão sua, quando quebra você entra em depressão.

11 – Nunca escreveu uma carta. Alias, carta, telefone? Você ta falando outra língua é?

12 – Fica horas a fio jogando World of Warcraft, Lineage, Second Life…

13 – Seu “avatar” tem mais estilo que você, ao menos ele toma banho (vixi!).

14 – Sua própria família só consegue te achar via SMS ou pelo MSN.

15 – Anda mais branco que papel chamequinho, só podia, afinal sol que é bom só no descanso de tela do seu micro né?

 

Então ta, aqui vai uma solução rápida, barata e indolor (ou quase) para seu problema crônico de “Febre Virtual”:

 

DESLIGUE O COMPUTADOR!

 

Calma, não to dizendo que você nunca mais deva usar a internet, ou o MSN… Mas como dizia minha mãe, tudo que é demais não faz bem. Afinal, qual é o problema com a realidade? O mundo virtual é tão atraente por ser mais “fácil”. Quase como num conto de fadas, você é capaz de criar e viver uma fantasia, encarnar uma personagem, moldar a sua realidade virtual da maneira que lhe pareça mais conveniente. Um universo “seguro” com ações e reações controladas e pensadas.

 

Saia mais, conheça novas pessoas (pessoalmente, cara a cara, juro que não dói e elas também não mordem), faça uma viagem, conheça lugares diferentes, interaja com as pessoas e com o ambiente.

O equilíbrio na nossa vida é uma coisa saudável, necessária e indispensável.

A realidade lhe aguarda. Perca seu medo, arrisque-se! Experimente a vida. Explore seus sentidos. Só na vida real isso é possível, e na boa, nada supera a realidade.

A informática é apenas uma ferramenta, mas nunca deve ser o alicerce de sua existência.

 

Por RebelHeartBR

Nuvem de tags