Confissões de um coração rebelde…

Posts marcados ‘Religião’

Você conhece o plano das Trevas contra a Humanidade?

Imagem

O PLANO DAS TREVAS CONTRA A HUMANIDADE

Certa vez, o senhor das trevas chamou toda a hierarquia infernal a fim de traçar os planos para implantar o mal em toda a humanidade. Outras reuniões como essa já haviam ocorrido em tempos passados, mas agora, com o advento de novos tempos, há necessidade de uma nova organização das trevas para atualizar seus planos contra a humanidade.

Então, os demônios de alta patente se reuniram e, atentamente, ouviram as instruções de seu chefe.

“Invoquei a presença de todos aqui com o objetivo de transmitir as diretrizes gerais para os novos tempos, a fim de se fazer do planeta Terra, na atualidade, um mundo cada vez mais sofrido, onde o mal predomine finalmente.”

Cada um de vocês deve ouvir atentamente as instruções que serão passadas agora, pois delas depende todo o sucesso de nosso trabalho.

“Para subjugar os seres humanos e fazer delas verdadeiros escravos, os principais pontos que todos devem se esforçar para implementar no mundo são os seguintes:

Em primeiro lugar, vamos estimular ao máximo nos seres humanos o orgulho e o egoísmo. Esses dois pilares devem ser a chave da submissão da humanidade. O orgulho, a soberba, a arrogância e a prepotência são os principais ingredientes de nossas realizações, pois farão com que cada ser humano se sinta melhor do que os outros; quanto mais existirem pessoas que se acreditam superiores, mais essa falsa percepção terá o poder de gerar divisões, disputas e conflitos. A soberba e a arrogância fomentarão o preconceito, a discriminação e a luta pelos direitos de uns se sobressaindo diante dos direitos de outros. Do orgulho brotará o sentimento de egoísmo, que fará com que os seres humanos busquem as coisas apenas para si mesmos, esquecendo que fazem parte de uma coletividade e dela dependem. Estimulando o individualismo ao invés do coletivismo; a competição ao invés da cooperação. Vamos influenciá-los a acreditar que podem levar uma vida totalmente isolada do restante, e mesmo assim serem felizes. Faremos com que a busca de benefícios apenas em proveito próprio seja o pivô de todas as relações humanas, e como consequência, os seres humanos estarão sempre brigando entre si por pequenas migalhas e farão de tudo para passar por cima uns dos outros. Dessa forma, estabeleceremos a competitividade, a violência, as distinções de classe social, dentre outras mazelas. Isso promoverá uma grande distância entre as pessoas e produzirá indivíduos solitários e carentes.”

“Muito bom senhor” respondeu um dos demônios. “Esse é sempre um bom plano”.

“Sim, mas não é só isso” – respondeu o Senhor do Submundo – “Há ainda mais ações a serem implantadas para nosso sucesso total.”

“Em segundo lugar, vamos implantar nas mentes humanas o pecado da vaidade. Vocês devem fazer com as pessoas sejam vaidosas a todo custo. Façam com que elas dêem mais atenção ao exterior do que ao interior. Se conseguirem isso, elas verão apenas a imagem que se encontra na superfície e serão cada vez menos capazes de enxergar além e ver aquilo que jaz oculto no interior de cada um. Isso contribuirá para a criação de pessoas mais voltadas às aparências do mundo e menos capazes de enxergar as coisas como elas realmente são. Vamos também confundir as pessoas e fazê-las acreditar que vaidade e autoestima são a mesma coisa; assim uma pessoa que cuida excessivamente de sua aparência terá a impressão que gosta de si mesma, que se ama, quando a verdade é o contrário disso. Quanto mais uma pessoa é exageradamente ligada a sua aparência, mais defeitos ela vê em si mesma, menos ela se aceita e consequentemente, menos ela se ama. Vamos promover a indústria da moda, dos cosméticos e das revistas de beleza para que as mulheres se sintam cada vez mais desajustadas e se voltem menos para as coisas que interessam – como o amor, o conhecimento, a paz, a sabedoria – e se voltem mais para o supérfluo e aquilo que é passageiro.”

Os demônios ouviam com atenção e curiosos sobre as próximas instruções do mestre das trevas.

“Em terceiro lugar, vamos promover ações principalmente no plano monetário, no mundo do dinheiro. Vamos estimular a cobiça, o sentimento de posse, e divulgar a ideia de que o ser humano mais realizado é aquele que possui mais sucesso profissional, mais bens, mais dinheiro guardado. Vamos confundir a mente das pessoas e fazê-las acreditar que o dinheiro é tudo na vida, e que todo o resto é secundário. Levando uma vida toda voltada à sobrevivência e à aquisição de bens materiais, não sobrará tempo para a família, para o encontro consigo mesmo, para leituras e para o conhecimento, para a reflexão, a oração e a meditação. Vamos fazer do dinheiro o píncaro da realização pessoal, assim não sobrará tempo para o que realmente é importante. O dinheiro não deve ser apenas um instrumento do viver, deve ser, isso sim, o fim da vida, seu objetivo primordial, a meta derradeira de todos os seres humanos. Quanto mais os seres humanos buscarem no dinheiro a realização, mais eles ficarão frustrados por não a encontrarem; ficarão tristes, deprimidos, solitários, carentes e vulneráveis. Fecharão os olhos para tudo e todos e se dedicarão, quase com exclusividade, ao sucesso do mundo da acumulação de capital. Eles ganharão mais e mais dinheiro, mas ainda assim não estarão satisfeitos, e vão buscar mais e mais, e nem vão desconfiar que o dinheiro nunca poderá preencher o espaço interior vazio do seu coração. Por outro lado, vamos fazer as pessoas serem consumidoras por excelência: toda a vida humana deve estar voltada ao consumo, mesmo que os bens consumidos sejam desnecessários. Faremos da compra algo ritualizado, que gera prazer e contentamento pessoal, assim as pessoas vão buscar fora de si algo que só poderia ser conquistado dentro. Vamos enganá-los com a ideia de que o dinheiro pode comprar tudo. Precisamos agir no mundo de tal modo que, aqueles que não têm dinheiro, vão sofrer pela sua ausência; e aqueles que têm dinheiro, vão sofrer pela possibilidade de perdê-lo. Tanto um como outro serão nossos escravos e não encontrarão a verdadeira realização: a realização espiritual”.

Os demônios apreciaram muito a explanação, e estavam sedentos de novas instruções.

“Além desses três aspectos” – continuou o senhor da escuridão – “há outros dois que devemos investir com todas as nossas forças, a ciência e a religião:

“Com relação à ciência, devemos tomar todas as medidas para que ela se torne materialista, tecnicista e voltada apenas aos interesses econômicos. A ciência precisa ser apenas técnica, sem alma, e tudo que se faça nela deve responder a interesses de grandes empresas; os cientistas devem estar sempre subjugados a grupos econômicos, para que suas ações não sejam livres e independentes. Isso ajudará a fazer com que a pesquisa científica seja controlada por grupos pequenos, que serão os detentores do direcionamento que será dado a trajetória da ciência. Expurguem completamente do campo científico qualquer debate sobre os limites éticos do conhecimento e disseminem a ideia de que, para o conhecimento humano, não há barreiras éticas e humanas. Faremos as pessoas dependerem completamente da tecnologia, a ponto de fazer com que uma ruptura no sistema seja a causa de um colapso geral. Assim, cada vez mais as pessoas vão acreditar que dependem da tecnologia e estão subordinadas a ela. Por outro lado, façam de tudo para que a ciência se torne dogmática, assim como a religião, e que haja uma constante disputa entre ambas, mesmo que em essência tanto a ciência como a religião seja duas faces de uma mesma moeda. Vamos estimular nos cientistas a preservação conservadora dos conhecimentos: fazer ela mais dogmática e menos investigativa, um verdadeiro depósito de certezas. Façam com que os cientistas não percebam que o conhecimento científico sempre possui um prazo de validade. É preciso traçar com firmeza e de forma bastante definida os limites que separam a ciência da religião, e que essa linha limítrofe se torne praticamente intransponível, pois com essas barreiras, os conflitos entre ambas vão desgastar, minar e atrasar o desenvolvimento de uma e outra, fazendo com que o ser humano precise escolher entre uma das duas e que sua consciência fique dicotomizada, totalmente dividida e em permanente conflito. De toda forma, é importante também descartar completamente qualquer intercâmbio entre essas duas formas de conhecimento, e rechaçar com veemência as novas pesquisas que ajudem a aproximar uma da outra. Os cientistas só devem acreditar naquilo que veem e acreditar que nada exista fora da ciência. Além disso, façam de tudo para deixar a consciência totalmente de fora da pesquisa científica, e estimulem ao máximo os cientistas a buscarem reduzir a realidade a um mero aglomerado de átomos inertes e sem vida. Façamos principalmente a ciência acreditar no acaso; acreditar que tudo surgiu do nada e para o nada retornará; façamos os cientistas acreditarem que a vida não tem um significado e que cada modelo científico é definitivo, e que deve resistir ao máximo à prova do tempo, mesmo que existam muitas evidências em contrário.”

“O segundo aspecto é a religião. Desde o primórdio dos tempos nós atuamos nas religiões, mas agora precisamos nos manter firmes nessa empreitada, pois a religião, caso seja transformada, tem o poder de mudar muitas coisas. A primeira e principal ação a ser reforçada nas religiões é, como vocês já sabem, estimular o fundamentalismo, o fanatismo e o dogmatismo. Os fiéis de um credo, qualquer que seja ele, devem acreditar piamente que apenas a sua religião é verdadeira e que todas as outras são falsas. Façam com que eles leiam os livros sagrados e os interpretem sempre ao pé da letra; façam com que eles não percebam a sabedoria oculta por detrás dos símbolos; deixe que eles acreditem que não há um significado simbólico nos ensinamentos, e que há apenas uma verdade literal, que deve ser conservada imutável a todo custo. Tornem todos eles submetidos sempre a uma hierarquia sacerdotal, que deverá lançar as bases do que se deve acreditar e do que não se deve acreditar. Assim, ninguém poderá promover mudança numa religião, pois tudo emanará da cúpula sacerdotal.”

“Façam também com que eles pensem que apenas alguns líderes têm o contato com Deus e que apenas eles podem servir de intermediários. Não permitam, em hipótese alguma, que os seres humanos descubram que eles não precisam de um intermediário entre o ser e o divino, e que a verdade pode ser alcançada pelo amor, pela sabedoria, pela compaixão e pela caridade. Procurem extirpar completamente dos cultos o silêncio, a oração e a meditação. Façam os rituais e as reuniões religiosas parecerem cada vez mais um show, com gritarias, barulho, orações repetidas e sem alma. Cuidem para que os líderes religiosos sejam adorados, que seu ego seja cultuado e que eles sejam encarados como semi-deuses na Terra. A personalidade dos líderes deve prevalecer sobre o conhecimento que eles propagam. Algo muito importante, e que não pode faltar nas religiões: a ideia do medo e do pecado. Façam com que as religiões amedrontem as pessoas, com noções de céu e inferno, e influenciem-nas a acreditarem que, uma vez no erro, não há redenção possível nem possibilidade de corrigir suas faltas. Não permitam, de modo algum, que surjam aqui e ali ideias de universalismo religioso, de ecumenismo e integração entre as várias crenças: as religiões devem competir umas com as outras pelos seus fiéis, e estes devem ser coagidos psicologicamente a permanecer toda a vida pertencentes a uma mesma denominação, sem nenhum questionamento. Façam com que o amor pareça uma coisa piegas, sentimentalista e sonhadora; façam com que a compaixão seja confundida com fraqueza; que a humildade seja considerada submissão; estimulem os adeptos a julgarem outras pessoas em nome da fé, e a separarem totalmente a teoria da prática, ou seja, a não incorporarem em suas vidas os mais elevados princípios morais de sua religião. Além de todas estas, há algumas ações menores, porém não menos importantes: façam os fiéis acomodados e anestesiados diante do mundo; façam os líderes religiosos controlar a vida dos membros; façam os fiéis debaterem sempre os mesmos temas e ficarem girando em círculos, sem saírem do lugar; estimulem ideias do tipo: ‘nós’ contra ‘eles’; façam com que eles se sintam pequenos e fracos diante do líder e da grandeza da religião; façam com que os membros se fechem mais dentro de si mesmos e se alienem do meio; promovam uma adoração desmedida da figura do mestre em detrimento do estudo e da prática dos seus ensinamentos originais. Com essas medidas, as religiões continuarão servindo aos nossos propósitos.”

Os demônios, muito interessados, anotavam tudo e procuravam assimilar cada aspecto citado, para que seu trabalho junto à humanidade fosse mais eficiente.

“Há agora alguns outros elementos em que devemos investir…” – disse o príncipe das sombras – “e eles são de extrema importância na modernidade”.

“Quanto à televisão, vamos fazer com que ela sirva aos nossos propósitos. Ao invés de ser um veículo de educação e civilidade, faremos com que se torne um amontoado de propagandas bastante sedutoras. Mesmo que as pessoas não precisem dos produtos anunciados, vamos criar nelas a necessidade de obtê-los, para pensarem que necessitam de muitas coisas para serem felizes. Faremos com que seja promovida a vaidade, a sexualidade desregrada, a cobiça, a alienação, a soberba e a arrogância. Vamos promover uma inversão de valores, e fazer com que as pessoas se atenham ao superficial. Quanto mais elas se detiverem nas imagens sedutoras da telinha, mais elas esquecerão de encontrar a sabedoria dentro de si mesmas. Valorizem o mundo do entretenimento; coloquem homens e mulheres sem roupa e sensuais, para despertar os instintos mais primitivos; tratem as mulheres como objetos na TV e nas revistas, e mostrem-nas apenas como um corpo bonito, porém sem essência, vazio por dentro. Façam uma imprensa tendenciosa, que não represente as diferentes forças sociais, mas que apenas preservem os interesses dos poderosos do mundo. Usem a arma da informação para manipularem a vontade as mentes das pessoas, e o melhor de tudo, façam com que elas pensem que as opiniões são delas mesmas, que as ideias apresentadas nasceram de seu pensamento, assim elas dificilmente perceberão que estão sendo manipuladas. Elas irão acreditar firmemente que as ideias surgiram em suas mentes, e assim jamais vão questionar algo que, segundo creem, teria sido gerido e processado pelo seu pensamento (mas que em realidade não foi). Os homens jamais podem se defender de algo que não conhecem e não percebem. Se eles não perceberem que estão sendo manipulados, não serão capazes de resistir à nossa dominação. E não se esqueçam: veiculem na TV a todo momento cenas de violência, para que os atos criminosos fiquem bem assentados no inconsciente coletivo, pois dessa forma, a violência se tornará corriqueira, comum e natural, pois, assim sendo, quase não será questionada seriamente com ações concretas. Só mostrem o negativo pela TV, ocultem ações positivas e humanistas, para que as pessoas acreditem que o mundo é essencialmente mau e que não há esperança de ser diferente.”

“Quanto à música, vamos retirar seu caráter de elevação da consciência humana, de contato com as emoções, do dinamismo imaginativo e criativo e de conscientização social. As músicas devem, assim como a TV, estimular a alienação e a degradação sexual. Em vez de conservar viva a tradição de um povo, com sua identidade, ela deve, ao contrário, fazer o ser humano esquecer suas origens. Um povo sem memória é muito mais propenso a repetir os erros do passado, reeditando antigas mazelas, sem aprender com elas. A música atual deve ser cada vez mais barulhenta, pois assim o ser humano se tornará incapaz de ouvir a natureza e a si mesmo.”

“Quanto ao meio ambiente, façamos com que eles destruam a natureza, para que, dessa forma, eles destruam a si mesmos. Vamos nos empenhar para que o ser humano acredite ser o senhor da natureza; vamos estimular ações de conquista, e não de integração com o meio natural. O homem deve se impor no meio ambiente, as ruas, as calçadas, o lixo, as casas, todas devem ser construídas de modo que representem a sobreposição do homem diante da natureza, como se ele fosse seu domador. Não deixem que eles percebam que são parte da natureza, que são filhos da terra, e que a ela devem a sua sobrevivência. Não permitam, em hipótese alguma, que o ser humano encontre o elo que o une, de forma indissociável, ao seu lar natural, pois se assim o fizer, ele terá mais força, vitalidade e saúde. Estimulem ações do homem contra seus irmãos menores, os animais, e façam-nos acreditar que os animais só existem para servi-lo, e não para conviver com ele. Façamos também com que os homens se tornem cada vez mais intoxicados. Ao invés de usarem produtos naturais, que eles usem apenas produtos industrializados, modificados quimicamente, pois um homem intoxicado é muito mais vulnerável a nossa dominação do que um homem de vida natural e sadio. Estimulem a procura de remédios alopáticos que visem apenas abafar os sintomas de uma doença, para que sua causa permaneça desconhecida e não seja tratada. Tirem os medicamentos naturais de seu alcance, para que eles vivam menos de ações preventivas, e cada vez mais intoxicados com químicas que acomodem sua consciência. Estimulem o uso do álcool e das drogas, lícitas ou ilícitas: criem o hábito de se recorrer aos entorpecentes ao menor sinal de sofrimento, pois assim eles estarão mais distantes da resolução de seus conflitos internos. Façam com que os seres humanos vivam uma verdadeira era da intoxicação, pois assim eles estarão muito mais propensos a doenças, a transtornos mentais e menos dedicados a causas humanitárias e de transformação social e espiritual.”

“Para finalizar, devemos combater com força dois sentimentos humanos: a fé e a esperança.”

“Para desmerecer a fé, devemos sempre associá-la as religiões. Mesmo sendo a fé uma convicção íntima de uma realidade transcendente, precisamos influenciar as pessoas de que a fé é sinônimo de crença cega, de fanatismo e de conformismo com dogmas religiosos. Neguem a todo custo que a fé seja o sentimento íntimo de uma realidade divina, um farol que guia a um porto seguro, e preguem com toda a ênfase que todas as formas de fé são idênticas, assim as pessoas não poderão distinguir a fé genuína, que nasce de uma aproximação do ser com o cosmos, e a fé fundamentalista, que está subordinada a um conjunto de credos.”

“E finalmente, a esperança. Temos que trabalhar ao máximo para apagar a palavra esperança dos corações humanos. As pessoas precisam acreditar que não existe esperança de um futuro melhor, que nada vai mudar, que tudo sempre foi do jeito que é, e que qualquer coisa que se faça para transformar a realidade atual é pura perda de tempo, pois não trará nenhum resultado.”

Quando os demônios já começavam a deixar o local de reunião, o chefe das trevas gritou-lhes:

“Não se esqueçam: tirem a esperança deles… e façam com que acreditem que não são capazes de transformar o mundo através da transformação íntima. Isso é muito importante: não permitam, em hipótese alguma, que eles percebam que são capazes de transformar a realidade atual.”

Autor: Hugo Lapa.

Retirado da Comunidade “Espiritualidade é Amor

Anúncios

A melhor filosofia de todos os tempos…

Imagem

Oração Poderosa contra todo mal

Para começar bem o ano de 2013 devemos nos livrar de todo mal, negatividade, feitiços e maldições que possam ter sido colocadas em nossas vidas, intencionalmente ou não.

Essa é uma oração poderosa que feita com fé irá livrar-lhe de todos os males e de toda negatividade.

Não existe nada mais poderoso no mundo do que o AMOR e a FÉ. Ambos são luz e diante da luz mal nenhum prevalecerá!

Muito Amor e Luz a todos!

Imagem

Oração contra maldições e negatividade

 

Jogo agora para fora de mim todos os maus pensamentos: Pensamentos de desânimo, pessimismo e desnorteio.

Coloco aos pés da cruz de nosso senhor Jesus Cristo todas as minhas dores físicas e espirituais. Coloco no sangue sagrado de nosso senhor Jesus Cristo todas as ciladas armadas e praticadas pelo poder negativo.

Nenhum poder maléfico é mais forte que o poder que está envolto em minha pessoa, pois sou pessoa de Cristo Jesus. Pertenço a ele de corpo e alma.

Pelas santas e sagradas chagas de nosso senhor Jesus Cristo, eu renuncio a todas as tentações que vêm me perseguindo, porquanto sou criatura de Deus Pai, Filho e Espírito Santo, e porque eu creio no mistério da Santíssima Trindade, e porque eu creio no Teu sangue derramado na cruz para salvação dos meus pecados e dos pecados do mundo inteiro.

Eu creio em Maria Santíssima, que escolhida fora ser a mãe gloriosa de cristo, o verbo encarnado. E eu creio na solução de todos os meus problemas sejam de ordem emocionais, materiais e físicos, sendo eles difíceis ou não.

Eu creio nas portas abertas para a minha vida, não porque eu as vejo abertas, porque sei que meu pai, o meu criador, o criador de todas as coisas as está abrindo para mim. Repreendo toda a confusão mental que tenta subjugar a minha mente, prostando-me em dores físicas.

Corto todo mal que tenta desfazer o bem em nome do Pai.

Corto todo mal que tenta desfazer o bem, em nome do Filho.

Corto todo mal que tenta desfazer o bem, em nome do Espírito Santo.

Toda potência negativa fica agora subjugada aos pés da cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, e meu corpo torna-se são, minha mente pacífica e serena e meu coração iluminado pelo poder do céu, do alto, do infinito mais belo que há.

Que assim seja!

Fonte: Umbanda de Jesus

Deus do amor ou do ódio?

Diversidade 

Mesmo diferentes, todos somos HUMANOS…

O que vem a sua mente quando pensa sobre Deus? Qual palavra você usaria para descrever o significado de Deus para você e em sua vida?
Para mim a palavra é amor. Amor pelos seus filhos, compaixão, paciência, tolerância e fé…

Eu vejo em Deus uma inesgotável fonte de amor. Alguem que nos amou com tanto afinco que nos deixou ser livres para traçarmos nossos próprios caminhos e fazer nossas próprias escolhas, mesmo as vezes não sendo aquilo que ele pessoalmente esperava ou gostaria. Mas quem ama é assim, respeita e não deixa de amar por que se é diferente, mas entende que nem sempre o que a faz feliz também fará a todos felizes, por isso somos indivíduos, cada um perfeito dentro de suas próprias crenças e comportamentos, e todos filhos do mesmo Deus de amor e comprensão…

Infelizmente o que testemunho hoje é um desfile de comportamentos preconceituosos, intolerantes e desrespeitosos, e muitos deles tem se sustentado nos paradigmas criados pelas religiões e na defesa ferrenha de seus seguidores do que eles julgam ser a “vontade de Deus”.

Será que estamos falando do mesmo Deus? Porque eu sinceramente não vejo onde a discriminação e o preconceito encontram lugar no coração de alguem que ama incondicionalmente. Este então não seria o Deus de amor, e sim o Deus do ódio…

Ódio pelo próximo, desrespeito ao livre arbítrio… Ódio por aquilo que é diferente, incompreendido e aos olhos cegados pela ignorancia, assustador.

Pude frequentar várias igrejas e denominações diferentes em várias ocasiões, e um fator comum que sempre ligou todas elas era a imagem do Deus bondoso, Deus do amor, misericordia…

Atitudes como as que estamos presenciando nos ultimos tempos com tanta ignorância e intolerância contra quem escolheu ser diferente da maioria só mostram que muitos dos frequentadores das religiões de nosso país, se não do mundo estão praticando sua fé de maneira equivocada… Estão adorando ao Deus do ódio e da indiferença e não ao Deus do amor que a todos criou…

As pessoas que escolheram viver uma vida diferente daquelas consideradas “normais” merece o mesmo respeito que você exige no seu dia a dia…

Todos querem ser respeitados em sua escolha religiosa, política e pessoal, mas para ser respeitado também é preciso respeitar e entender que nem todos são iguais e terão as mesmas opiniões e gostos.

Por favor amigos, irmãos, filhos assim como eu do Deus de amor, pensem melhor antes de atirar pedras em quem é diferente, aquela pessoa tem os mesmos direitos que você: Direito a vida, ao amor, ao respeito e a igualdade…

Que o Deus de amor esteja com todos nós nos orientando para que assim como ele possamos amar a todos nossos irmãos, mesmo aqueles que são diferentes de nós…

Por RebelHeartbr

Iguais…

Diferentes, mas Iguais!

Por que tanta animosidade irmão?

Por que meu eu te incomoda tanto?

Você me julga diferente, por isso não mereço seu respeito?

Mas pense bem…

Não somos tão diferentes assim, eu e você…

Apesar de nossas religiões serem diferentes, o Deus de amor para quem oramos é o mesmo…

Não temos a mesma raça, mas o sangue que corre nas nossas veias tem a mesma cor…

Não nascemos com o mesmo sexo, mas juntos somos capazes de gerar e criar nova vida!

Podemos não dividir as mesmas opiniões, mas certamente todos buscamos pelo melhor…

Posso não ter a sua altura ou seu peso, mas nosso coração bate no mesmo ritmo e compasso…

Minha opção sexual pode ser diferente da sua, mas ambos buscamos o amor em um relacionamento…

Nossas escolhas são diferentes, mas ambos queremos simplesmente ser felizes…

Fomos criados a partir do mesmo amor…

Diferentes por fora, mas não por dentro…

Compartilhamos a mesma alma sonhadora, os mesmos objetivos e desejos…

É meu irmão, de fato não somos nada diferentes…

Somos todos Iguais!

Por RebelHeartBR

 

Amor, respeito e felicidade

Uma história que poderia ser a sua…

Certa vez conheci um rapaz muito bacana. Filho mais velho de sua família, cresceu em um lar onde a religião era a pedra fundamental, o alicerce de todas as crenças e doutrinas…

Foi educado nessa religião, mas bem lá no fundo não se sentia bem e muito menos era feliz, pois seu coração lhe mostrava que era diferente daquilo que a sua religião pregava como “certo” e “moral” e ele sofria muito por isso…

Sempre ouviu que sua “missão” era formar uma família… Crescer, trabalhar junto a igreja, encontrar uma boa moça da sua religião, casar-se e ter tantos filhos quantos fossem “mandados” pelo Senhor. Cresceu ouvindo que tudo o que fosse diferente daquilo, tudo que fosse contra a ideologia de sua religião era errado, imoral e obra do “maligno”.

Não existia amor nem piedade…

Não existia respeito nem aceitação…

Só existiam mandamentos, que se não fossem seguidos a risca, não lhe dariam seu lugar de direito no Paraíso quando ele morresse…

Com toda essa intolerância por parte de sua igreja e também de sua familia que seguia a risca o “passo a passo” de sua religião, ele se via perdido, sentindo-se um pecador sujo pois não se encaixava naquela doutrina…

Aquilo que estava em seu coração lhe trazia felicidade de verdade, mesmo se sentindo culpado por ter aqueles sentimentos, aquilo lhe fazia feliz, seus olhos brilhavam, sentia seu coração disparado pois havia encontrado o amor.  Ele havia se apaixonado por outro rapaz…

Quando sua família ficou sabendo, o tratou como degenarado, como se o que tivesse sentindo fosse uma doença e que precisava se voltar mais ainda pra sua religião para que pudesse ser “curado”… Ele foi julgado e condenado por ser diferente.

Hoje ele é um membro ativo de sua igreja e está casado com uma moça que conheceu lá… Hoje sua família olha pra ele com orgulho do que ele se tornou…

Mas é impossível não notar, quando se olha em seus olhos de que a felicidade não está lá. Por traz do sorriso e da alegria aparente, vive alguem que morreu por dentro para poder seguir sua doutrina e viver as expectativas de sua familia para sua vida…

Agora eu pergunto…

Valeu a pena abrir mão de um amor de verdade e de sua própria felicidade para seguir uma doutrina de alguem que simplesmente é incapaz de amar e respeitar aqueles que são diferentes em suas escolhas?

Quando amamos alguem de verdade, queremos que essa pessoa seja feliz e sabemos respeitar suas escolhas…

Na verdade ele nunca foi amado, nem por sua família nem por sua igreja… Eles amam sua imagem, o que ele se tornou, mas são incapazes de mostrar amor por quem ele realmente é, não respeitaram seus verdadeiros sentimentos, não respeitaram que ele era de verdade…

Pra minha vida não quero amor falso e respeito mentiroso… Não me contentaria jamais em ser alguem que não sou só pra agradar os outros, pois aqueles que me amam não precisam ser alimentados com mentiras, eles não tecem expectativas sobre minha vida e minhas escolhas, eles simplesmentem me amam e respeitam pelo que sou…

Então amigos, se alguem ou alguma ideologia ou doutrina não te amam e te respeitam o suficiente para te aceitar como você é, eles não merecem que você mude por eles…

Sejam felizes, sejam vocês, se amem e se respeitem sempre…

Façam sua vida valer a pena, vivam com plenitude.

Por RebelHeartBR

Hipocrisia não…

Quanta Hipocrisia…

 

Bem, todo mundo que tem acesso a algum meio de comunicação deve estar sabendo da barbárie mais recente, sobre o estupro e gravidez de uma menina de apenas 9 anos de idade.

Tamanha atrocidade foi cometida pelo seu padrasto, que agora se encontra preso.

A gravidez da menina de 9 anos, que esperava gêmeos, frutos da violência cometida, foi interrompida, justamente por se tratar de uma gravidez de alto risco e ser resultado de um ato de violência.

 

Até ai, mais uma notícia como tantas outras que vemos (infelizmente) todos os dias nas manchetes de jornal, não fosse por um detalhe: A intromissão da Igreja na questão do aborto.

 

O alto clero da igreja Católica ordenou que fossem excomungados (ato que impede que um fiel receba os sacramentos da igreja) todos os que participaram, direta ou indiretamente da decisão de abortar os bebês que a garotinha esperava…

Pior que isso… O maldito padrasto, estuprador, pedófilo, F.D.P… Esse NÃO foi “excomungado”, pois segundo a igreja, seu crime foi grave mas não atentou contra a vida de ninguém…

 

O tal Bispo agora enche os pulmões pra dizer que o estupro cometido contra a garota de 9 anos não é tão grave quanto o aborto ao qual foi submetida…

 

Perai, chega…

Quem são vocês pra julgar alguma coisa? Que fé cega é essa?

Defender a atitude de um estuprador para proteger e manter seus dogmas… Isso é demais…

 

Que Deus é esse que para vocês prefere que uma menina de 9 anos seja mãe de 2 crianças concebidas num ato de violência cometido pelo seu próprio padrasto?

Que bom que o meu Deus não pensa assim… Ele é justo, nos ama incondicionalmente e jamais deixaria que uma criança passasse por tamanha provação só pra sustentar um monte de regras e imposições ultrapassadas á séculos.

 

Os católicos que me perdoem, vocês são livres para escolher o caminho que lhes traga mais felicidade, mas não posso me calar diante de tamanha hipocrisia…

 

Meu caro Bispo, Deus nos criou para sermos amados. Nos deu o mundo e seu único filho por amor. E é isso que as pessoas esperam de sua igreja, aquela que vocês se orgulham tanto em dizer que foi a única igreja criada verdadeiramente por Deus… As pessoas querem amor, misericórdia, aceitação…

 

Intolerância, preconceito e perseguição são encontradas todos os dias no mundo em que vivemos, não precisamos mais disso, especialmente vindo de uma instituição que foi criada para dar e ser amor…

 

Sejam tolerantes, coloquem-se no lugar daqueles que vocês tão facilmente julgam e condenam com suas leis e dogmas ultrapassados.

A fé é capaz de mover montanhas, mas a fé cega certamente lhes conduzirá ao abismo.

 

Deus nos concebeu livres, nos deu liberdade de pensar e agir, escolher nossos caminhos e saber distinguir o certo do errado. Não precisamos de leis para isso, basta seguir e ouvir nosso coração e nossa consciência.

 

77782

 

Muito amor, luz e paz…

 

Por RebelHeartBR

Nuvem de tags